21 de maio de 2010

Uma roda axial é o que é a vida
presa a um eixo imaginário
nunca as mesmas voltas
nunca os mesmos círculos
no entanto, roda, a coitada
como se fosse chegar
como se existisse lugar
como se essas palavras caóticas como redenção salvação cura (amor) pudessem fazer sentido
senão perde o eixo e destrambelha tudo
por isso roda, a danada
sabendo-se motora de sua própria existência
não se sabe se sabe ao certo o que é viver assim
e de vivência tem crostas na pele
marcas e manchas nas ancas, arredondadas
então desiste de entender:
sangrar é bom, mas fatal
Então Continua rodando, a roda,
no eixo da humanidade desigual

2 comentários:

Allan disse...

para de pensar em tudo ! adorei !
''... no entanto, roda, a coitada
como se fosse chegar
como se existisse lugar [...]''

André Vargas disse...

Gosto da sua ousada multiplicidade venenosa. Gosto-te em prosa e em poesia! Quiçá prosa-poética... um dia? (opa, rimou - força do habito!)

Abraços!